Este mês marca 12 anos desde que concluí o meu curso e iniciei a minha carreira de fonoaudióloga. Naquele momento, eu nunca poderia imaginar o caminho que a minha carreira tomaria até chegar à minha função atual como Gerente de produtos em um fabricante global de soluções auditivas, a Unitron. E certamente nunca imaginei que trabalharia em casa (integralmente) devido a ordens do governo para ajudar a limitar a disseminação de um vírus que rapidamente se tornou uma pandemia global. Eu testemunhei e experimentei as graduais ondas de mudanças na indústria de aparelhos auditivos, mas nada em comparação com as mudanças e interrupções causadas pela COVID 19.

Quando iniciei em meu primeiro trabalho como audiologista clínica, o iPhone ainda dava seus primeiros passos. Eu não precisava ser especialista em tecnologia, compreender e solucionar problemas de Bluetooth® e vários tipos de smartphones como os fonoaudiólogos atuais. O maior desafio, como uma nova audiologista, era descobrir qual fio usar para conectar os aparelhos auditivos ao software de adaptação. Esse problema com o fio era compartilhado universalmente entre todos os fonoaudiólogos, até que a indústria trouxe uma solução inovadora: acessórios sem fio. O que eu não sabia na época é que havia equipes de pessoas trabalhando junto a diversos fabricantes para compreender os pontos problemáticos dos pacientes causados por acessórios com fios, e estavam trabalhando com talentos multifuncionais para desenvolver uma solução. Essas equipes de pessoas eram Gerentes de produtos, e eram responsáveis por representar a voz do paciente. E igualmente responsável por garantir que a voz do paciente guiasse as decisões de estratégia, inovação e desenvolvimento de produtos.

E agora, 12 anos depois, eu sou uma Gerente de produtos na Unitron. Sou responsável por guiar o processo de criação de produtos, desde o conceito até o desenvolvimento e, eventualmente, sua comercialização. A Unitron, como muitas outras empresas, emprega uma metodologia de lógica de design para o desenvolvimento de produtos. O ponto de partida da lógica de design é a empatia. Compreender as necessidades dos pacientes, ouvir atentamente e “trocar de lugar” com eles permite-nos definir, criar protótipos, iterar e, por fim, lançar produtos significativos. Os produtos de maior sucesso são aqueles que resolvem um problema, necessidade do usuário ou um ponto problemático.

Compreender o paciente e representar sua voz durante o design de produtos é o que mais amo na minha profissão de Gerente de produtos. Como isso é feito? Há alguns modos mais formais, por exemplo, grupos e pesquisas direcionados. E há modos mais informais, como visitas a clínicas, eventos do setor e feiras de negócios, além de fóruns on-line e mídias sociais. Embora no início eu conseguisse trazer minhas experiências coletivas como audiologista clínica e treinadora de campo para a equipe a fim de representar a voz do paciente, depois de três anos fora da clínica essas informações se tornaram irrelevantes. Agora eu sempre procuro oportunidades de aprender com os fonoaudiólogos atuantes e pacientes sobre os problemas que eles enfrentam e como podemos trabalhar para resolvê-los.

Hoje, mais do que nunca, estou testemunhando novos problemas e pontos problemáticos enfrentados por fonoaudiólogos e pacientes enquanto passamos por este momento de incertezas. Há muita ansiedade sobre o que o futuro nos reserva à medida que fazemos a transição para um novo normal. É impossível prever o futuro, mas ao ouvir suas vozes coletivamente, posso concentrar nosso trabalho para garantir que estamos ouvindo, compreendendo e inovando em soluções que nos ajudarão a prosperar nesta crise.

Nesse momento, ao ficar em casa, assumi o compromisso de conversar diretamente com você, o paciente, para fazer muitas perguntas, ouvir atentamente e simpatizar com sua situação para garantir que nossas futuras inovações apoiem seu sucesso futuro. Então, se você estiver disponível agora, eu gostaria de ouvir você. Entre em contato via e-mail leah.vusich@unitron.com e vamos conversar.